Nossa História

Espaço de amor e fé

Um lugar de fé e amor, de prática da espiritualidade e da caridade, onde se faz o bem sem olhar a quem. Assim pode ser definido hoje o espaço Aldeia da Mata, que acolhe semanalmente mais de 600 pessoas que buscam fortalecimento espiritual, sendo atendidas ou prestando atendimento, e expansão do conhecimento esotérico-religioso.

A Aldeia da Mata pode ser mesmo comparada às matas, lugar predileto da entidade mentora da casa, o Caboclo da Mata. Começou pequenininha, na sua mais completa expressão; apenas uma semente que está se transformando em uma fértil floresta, como mostra a evolução da sua história.

Em meados de 1998, um grupo de apenas três jovens amigos decidiu resgatar uma tradição de suas infâncias, legado dos pais: o estudo do Evangelho no lar, com a finalidade do fortalecimento da família. Os encontros semanais ocorriam nas noites de terça-feira e cada um deles era encerrado com orações dirigidas aos familiares e amigos, particularmente, aos doentes e necessitados. Em uma dessas reuniões, o Caboclo da Mata se manifestou pela primeira vez por meio do médium Elias José Cagnoni, à época com 26 anos.

À kitnet de Elias Cagnoni, onde eram realizados os encontros, e ao grupo, o Caboclo se referiu como a “nossa Aldeia”, batizando o que mais tarde seria o templo conhecido simplesmente como Aldeia da Mata. Em suas manifestações iniciais, o Caboclo da Mata trabalhou para fortalecer a espiritualidade dos jovens e suas palavras tratavam das coisas mais simples e essenciais à vida humana, as forças movedoras do amor e da caridade. Atraídas pela energia do Caboclo da Mata, em pouco tempo, 25 pessoas já faziam parte das reuniões e o apartamento de Cagnoni ficou pequeno para comportar tanta gente.

Sob orientação do Caboclo da Mata, o grupo passou, então, a procurar um espaço maior onde pudesse realizar trabalhos espirituais de forma organizada e levar conforto a mais pessoas. Depois de muitas buscas em diversas regiões, o espaço encontrado situava-se em um lugar próximo ao antigo apartamento de Cagnoni e que, no passado, fora morada de povos indígenas. Assim foi criada a Aldeia da Mata, no mesmo ano de 1998, no bairro Campos Elíseos, na região central de São Paulo. Já na primeira reunião na “casa terrestre” do Caboclo da Mata, o número de atendimentos mais do que triplicou, passando para 80 pessoas.

Como uma semente que é tratada com muito amor e regada diariamente, a Aldeia da Mata foi crescendo e se transformando ao longo desse tempo. Bem no início, era apenas o atendimento das entidades aos amigos do grupo original e às pessoas da vizinhança, mas logo em seguida, e até os dias atuais, pessoas de bairros mais distantes e até de outras cidades engrossam a média dos quase 600 atendimentos por semana nas linhas comandadas pelas entidades Caboclo da Mata (Linha dos Caboclos), doutor Junqueira (Corrente Médica Espiritual), Tia Maria (Linha dos Pretos-Velhos), Pablo (Corrente dos Ciganos) e Nefertari (Corrente Egípcia).

Os atendimentos ocorrem de segunda-feira à quinta-feira, sendo que a Festa dos Ciganos é realizada quinzenalmente aos sábados e, além das segundas-feiras, a Linha dos Pretos-Velhos atende a população no último domingo de cada mês. Duas vezes por semana (às terças e quartas-feiras), também são organizados estudos do Evangelho, e a cada 15 dias (às segundas-feiras), no encontro “Luz e Sabedoria”, ocorrem as sessões de psicografia.

Paralelamente, o espaço, que dobrou de tamanho ao longo desses anos, também abriga cursos regulares de numerologia, xamanismo, reiki, búzios, tarô, baralho cigano e de desenvolvimento da mediunidade.

A Aldeia da Mata também organiza ações sociais, apoiada pelos frequentadores, com visitas periódicas a instituições de idosos e crianças carentes e distribuição de cestas básicas, kits de higiene e brinquedos no Natal. Em 2009, a Aldeia da Mata expandiu essa assistência e passou a abrigar em seu templo o Espaço Curumim, dedicado a cerca de 50 crianças, de 3 a 10 anos de idade, que recebem alimentação, recreação, noções de higiene e cidadania. As crianças são da Comunidade Moinho, onde vivem cerca de 600 famílias carentes, e o projeto tem a finalidade de tirar esses pequenos das ruas e torná-los cidadãos dignos na sociedade.

A Aldeia é registrada na União de Tendas de Umbanda e Candomblé do Brasil como Templo de Umbanda Caboclo da Mata. No entanto, a filosofia de seu mentor Caboclo da Mata e de seu dirigente e sacerdote, Elias José Cagnoni, atrai pessoas de todos os credos e religiões.

ARARA